(83) 9.9621-4142

Notícias

Primeiro post da série “Os presidenciáveis e a educação”

A melhor política educacional é uma politica econômica vigorosa. Como os candidatos pretendem romper o círculo vicioso da pobreza?

Publicada em 08/07/18 às 12:03h - 258 visualizações

por IMAPE-PB / Instituto Majoritário de Pesquisas e Estatisticas


Compartilhe
 

Link da Notícia:

 (Foto: IMAPE-PB / Instituto Majoritário de Pesquisas e Estatisticas)
Primeiro post da série “Os presidenciáveis e a educação”
A melhor política educacional é uma politica econômica vigorosa. Como os candidatos pretendem romper o círculo vicioso da pobreza?
Por João Batista Oliveira access_time 7 jul 2018, 15h30 more_horiz

As evidências científicas sobre o desenvolvimento humano sugerem que a situação econômica da família quando a criança nasce tem mais influência negativa do que em qualquer outra época da vida. (Cristiano Mariz/VEJA)

Este é o primeiro de 13 post da série “Os presidenciáveis e a educação”. Em vez de fazer propostas aos candidatos, julgamos mais importante saber o que eles pensam a respeito da educação. Nesta série de 13 posts, apresentamos temas, considerações e perguntas aos candidatos. São temas sobre as quais o país deveria refletir.

“SE O SEU CANDIDATO NÃO SABE COMO MUDAR A EDUCAÇÃO, MUDE DE CANDIDATO!”

A melhor política educacional é uma politica econômica vigorosa, que gera riqueza, empregos qualificados e uma ampla rede de proteção social – reduzindo a pobreza e seus efeitos negativos sobre o desenvolvimento humano, em geral, e a educação, em particular. Quando analisamos o rendimento escolar dos alunos, os fatores que mais explicam os resultados estão relacionados com o nível socioeconômico de seus pais. A pobreza, em particular, é o inimigo 1 da Primeira Infância e do sucesso escolar. E a educação constitui o único passaporte conhecido para quebrar o círculo vicioso da pobreza.

Há diferentes teorias a respeito de formas de combate à pobreza. Tanto sistemas econômicos capitalistas quanto socialistas apresentam diferentes soluções com diferentes graus de sucesso ou insucesso. O grande lema de “Guerra à Pobreza” do governo Jonhson na época de 60 resultou num grande fracasso e, à falta de medidas estruturais, até hoje os Estados Unidos exibem o maior nível de pobreza e desigualdade entre os países ricos. A dimensão da pobreza, no Brasil, sugere que apenas reduzir a desigualdade não é suficiente para assegurar condições mínimas para que as pessoas possam se desenvolver de forma adequada.

As evidências científicas sobre o desenvolvimento humano sugerem que a situação econômica da família quando a criança nasce tem mais influência negativa do que em qualquer outra época da vida. Esse tipo de evidência contém sugestões específicas para ajudar a estabelecer prioridades e melhor focalizar redes de proteção social.

Outro fato relevante está associado à mudança demográfica: nas décadas recentes, os aposentados representaram uma rede informal de proteção social para suas famílias. As mudanças demográficas em curso, o baixo nível de escolaridade de parcela significativa da população de 15 a 30 anos e as inevitáveis mudanças nas políticas de previdência social sugerem que esse quadro deverá mudar radicalmente nos próximos anos, aumentando os custos e riscos para a população mais idosa e reduzindo sua condição de ajudar as gerações mais jovens.

Como os candidatos pretendem romper o círculo vicioso da pobreza?



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








FALE CONOSCO

83-3453-2629 / 9.9621-4142

Copyright (c) 2022 - IMAPE-PB / Instituto Majoritário de Pesquisas e Estatisticas - Rua: Capitão João Pedro - 402 - Centro, CEP: 58.970-000 - Conceição/PB - Telefones:(83) 3453-2629 / 9.9621-4142
Converse conosco pelo Whatsapp!